Receba as Postagens por e-mail:

Delivered by FeedBurner



A voz do leitor #1




Olá pessoal, hoje abrimos a porta do nosso novo espaço denominado "A VOZ DO LEITOR", aonde postaremos as histórias, artigos e textos enviados por vocês leitores e seguidores através da página de contato, e para dar início começaremos pelo texto nos enviado pelo leitor Pedro Fagundes de Azevedo, que é psicólogo clínico em Porto Alegre - RS.

A Fidelidade Canina após a morte.

"No final do ano passado, jornais da capital e do interior gaúcho noticiaram um típico caso de fidelidade canina que sobreviveu à própria morte. Conta a enfermeira Nair Matias, que quando a ambulância do Samu foi deslocada para socorrer em casa um homem idoso, doente e solitário, o cachorro Samuka seu único companheiro acompanhou o veículo até o hospital de São Pedro do Sul, onde depois ocorreria o óbito e dali não mais se afastou. Embora os familiares do seu falecido dono tenham levado o Samuka de volta para casa várias vezes, ele teimava em retornar sempre que surgia uma oportunidade.

O caso lembra o filme "Sempre ao Seu Lado" com o ator Richard Gere. Trata-se da história de um cão que costumava esperar seu dono todos os dias, na estação ferroviária. Depois que o personagem de Gere faleceu, o animal permaneceu em frente à estação até morrer. E lembra também uma outra história bem mais antiga, conforme consta na Revista Espírita de junho de 1860, publicação francesa que tinha a direção de Allan Kardec. Um homem morrera há oito meses e sua família, na qual se encontravam três irmãs médiuns, evocava-o quase diariamente com a ajuda de uma Cesta de Ouija (antigo instrumento de comunicação com o mundo espiritual, hoje em desuso no moderno Espiritismo). Cada vez que o espírito era chamado, seu cãozinho de estimação saltava sobre a mesa e vinha cheirar e brincar com a cesta, dando pequenos latidos, A primeira vez que isto ocorreu, o espírito escreveu através da cesta: "meu bravo cãozinho está me reconhecendo".

Algo semelhante poderia estar acontecendo com o cachorro de São Pedro do Sul. Não dá para afirmar, mas de alguma forma, ele sentia a presença de seu antigo dono que talvez ainda andasse por ali, sem saber que já morrera. Francisco Xavier, através de seus livros mediúnicos, mostra que o outro lado da vida é muito parecido com o lado de cá. Há muitas semelhanças entre os dois planos. É por isso, penso eu, que muitos espíritos não sabem ou não conseguem entender que já morreram. São aqueles que acreditam que ao morrer irão para o céu, o purgatório ou o inferno, ou então, que a morte irá apagá-los até o Dia do Juízo Final. Vêem as pessoas, tentam falar com elas, mas as pessoas não lhes percebem. Os animais, entretanto, principalmente cães, gatos e cavalos podem sentir e interagir com as presenças espirituais.

A maioria das pessoas desconhece, mas uma das atividades dos centros espíritas é o esclarecimento desses espíritos desorientados. Numa sessão espírita, através do médium, o doutrinador conversa com o espírito visitante, explicando-lhe sua nova realidade. Todo o grupo reza por ele, pedindo as bênçãos de Jesus para que se reequilibre e compreenda sua situação, sendo o espírito depois levado para uma das "muitas moradas da casa do Pai" (Evangelho de João, 14,1-2), onde e vida continua. Assim, diante da morte, a atitude dos que ficam do lado de cá deve ser de respeito, serenidade e, acima de tudo, preces de acordo com a sua religião ou suas crenças."


Avalie

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Oi, gostei muito do blog.
    Lembrei-me do Programa De Olho no Mundo(www.deolhonomundo.com), de Aline, da Cidade das Pirâmides, que diz: "Ser de luz é viver na luz com atitudes, palavras e pensamentos".Abçs.

    ResponderExcluir

Receba as Postagens por e-mail:

Delivered by FeedBurner